segunda-feira, 21 de agosto de 2017

6º ANO - A HIDROSFERA


A HIDROSFERA
ORIGEM E DEFINIÇÕES DA HIDROSFERA

A água existente no planeta Terra se originou durante o processo de resfriamento da crosta terrestre, há cerca de 4 bilhões de anos, e circula pelo planeta até os dias atuais.

Desde então, a água circula pelo nosso planeta nos três estados físicos da matéria: líquido, gasoso e sólido, proporcionando um dinamismo de trocas de materiais e energia entre diferentes pontos da superfície terrestre.

DISTRIBUIÇÃO DAS ÁGUAS

O volume total das águas existentes na atmosfera, na superfície e no subsolo terrestre é de 1,46 bilhão de km³, formando a chamada hidrosfera;

A Água no planeta está dividida de maneira desigual entre os diferentes reservatórios existentes;

A maior parte, 94%, forma os mares e oceanos;

Pouco menos de 4% está armazenado no subsolo;

 2% está em estado sólido, formando as geleiras e as neves eternas;

0,02% , são as águas que formam os rios, lagos, pântanos e reservatórios artificiais, além da umidade total presente nos solos e a água existente nos seres vivos mais a um-dade atmosférica;

0,007% é a quantidade de água disponível para o consumo humano;

O Brasil apresenta um grande potencial hídrico, com cerca de 12% do total da água disponível para o consumo humano no mundo;

89% da água existente no Brasil encontra-se nas regiões Norte e Centro-Oeste, que possuem uma pequena parcela da população total.

11% restante concentram-senas regiões Sul, Sudeste e Nordeste, onde está a maior parte da população do país.

OS OCEANOS E OS MARES


O mapa que você analisou representa a superfície do planeta Terra, considerando, exclusivamente, suas características naturais, ou seja, a distribuição das águas e das terras emersas e suas altitudes.

A maior parte da superfície terrestre é coberta por grandes extensões de água delimitadas pelos continentes, porém conectadas, chamadas de oceanos.

A maior parte da superfície do planeta, 70%, é coberta pelos oceanos, os quais apresentam uma profundidade média em torno de 3 700 metros. Confira as características gerais de cada um deles na tabela a seguir

ATLÂNTICO

Com 106 100 000 Km², banha Toda a costa oriental da América, costa ocidental da África e Europa.
É mais utilizado como via para o comércio internacional.

Banha o Brasil e é cortado pela Linha do Equador, sendo dividido em Atlântico Norte e Sul.

É o oceano que recebe a maior quantidade de água doce.

PACÍFICO

Com 179 650 000 Km²,  banha Toda a costa ocidental da América, a Oceania e o sudeste e leste do continente asiático.

É o maior e mais profundo de todos os oceanos, é maior que toda a área ocupada por continentes e ilhas.

É nele que se localiza o ponto mais profundo de todos os oceanos, a Fossa de Mindanao, com 11 524 metros, próximo às Filipinas.

ÍNDICO

Com área de 74 900 000 Km², banha a Costa oriental da África, Oriente  Médio, sudoeste e sul da Ásia e  Oceania.

É o menor entre os três maiores oceanos e desempenha um papel fundamental na caracterização climática das terras localizadas ao norte, na regulação das massas de ar.

GLACIAL ÁRTICO

Com 14 600 000 Km², banha o Norte da América, da Europa e da  Ásia.

Localizado na região polar, em sua maior parte, fica congelado permanentemente e é o menor dos oceanos.

Os Mares: são porções de água salgada, limitados ou cercados quase que totalmente pelos continentes, de menor tamanho e profundidade em relação aos ooceanos.

Os mares diferem dos oceanos em dimensão, pois são menores e, muitas vezes, quando são chamados de mares abertos.
Mares Abertos: São aqueles que constituem apenas partes de oceanos próximos a continentes;

Mares Interiores: são aqueles que, em sua maior parte, estão cercados por terras, mantendo estreitas passagens para os oceanos.

Mares Fechados: São aqueles que se situam no interior dos continentes, não possuindo nenhuma ligação com os oceanos.

Os mares são muito importantes para as populações que vivem às suas margens, pois constituem fonte de alimento por meio da pesca, além de serem vias de transporte e comunicação.

A manutenção da qualidade da água dos mares existentes no planeta é um desafio, pois o futuro de todos os povos depende, em grande parte, dessa água.

Por essa razão, é importante que ocorram ações no sentido de restabelecer boas condições ambientais nos mares do nosso planeta.

OS RIOS E OS LAGOS

Os rios podem ser definidos como um fluxo contínuo de água que percorre um trajeto específico dos pontos mais elevados do relevo, onde estão localizadas suas nascentes, até as porções mais baixas.

Deságuam em outros rios, lagos, mares ou oceanos, no ponto chamado de foz ou desembocadura. A ciência que estuda o funcionamento e as características dos rios é a hidrografia.

BACIA HIDROGRÁFICA A área drenada por um rio principal e seus afluentes é chamada de bacia hidrográfica .

DIVISORES DE ÁGUAS são as partes mais elevadas do relevo que delimitam (separam)  duas ou mais bacias hidrográficas.

BACIA HIDROGRÁFICA possui um rio principal, que recebe água de seus afluentes e subafluentes.

REDE DE DRENAGEM: é o conjunto de todos os rios de uma bacia hidrográfica, ela é formada pelos rios, lagos e canais interligados de uma bacia hidrográfica.

OBS:
pequena área banhada por um rio, lago e canais, que deságua em outro rio, lago ou canal , formando bacias hidrográficas cada vez maiores.

RIO DE PLANALTO

Os rios podem ser classificados de acordo com o tipo de relevo que percorrem.

Os rios de planalto são aqueles que correm em áreas com grandes desníveis altimétrico (cachoeiras), sendo comum a existência de quedas-d’água e corredeiras.

Nos rios de planalto são construídas barragens com a finalidade de converter a força de suas águas em energia elétrica, ou seja, são construidas as usinas hidrelétricas.

RIO DE PLANÍCIE

Os rios de planície são aqueles que correm em regiões de relevo plano;

Os rios de planície  não apresentam grande velocidade de sua águas e quase não existem corredeiras e quedas-d’água.

Os rios de planície  são navegáveis, permitindo o transporte fluvial, de carga e passageiros.

RIOS NA CIDADE

O intenso processo de urbanização e a expansão da atividade agrícola têm causado grandes prejuízos ambientais aos rios.

Um procedimento bastante preocupante é o desmatamento da mata ciliar ou mata de galeria, como é chamada a vegetação que acompanha o leito do rio.

A Mata Ciliar é muito importante na manutenção do leito, pois suas raízes  impedem que suas margens sejam danificadas pela erosão;

 A Mata Ciliar previne o desgaste erosivo das margens fluviais(dos rios), o que evita que um rio fique mais largo e mais raso, isto é, impede o assoreamento que influi negativamente nas formas de vida ali existentes.

Outro grave problema com os rios nas cidades é o lançamento de resíduos industriais e domésticos nos rios(esgotos e lixo).

O esgoto e o lixo acabam poluídos e incapacitando os rios de manter qualquer forma de vida.

Vários dos rios brasileiros estão nessa situação e, atualmente, estão mais parecidos com esgotos a céu aberto do que com rios.

As inundações nas cidades sãu provocadas em grande parte pela retirada da mata ciliar e a excessiva impermeabilização do solo devido à pavimentação (asfalto) das áreas urbanas, que diminuem a capacidade de infiltração da água das chuvas e contribuem para o aumento dos casos de inundações durante o período de chuvas.

As inundações causam graves prejuízos e são meios para contaminações e transmissão de doenças.


O problema é ainda maior se considerarmos que eles são os principais fornecedores de água para o consumo humano.

Quanto mais poluidos e alterados ficam os rios, ele modificam suas características físicas, mais caro se torna o processo de tratamento de água para o consumo da sociedade.

OS LAGOS

Comentar que a laguna difere do lago por conter água salobra ou salgada e possuir uma ligação com o mar.
Forma-se a partir da deposição de sedimentos que separam a laguna, de águas tranquilas, do oceano, de águas mais agitadas.

Os lagos naturais são áreas preenchidas com água, as quais podem ter origem tanto na chuva quanto em lençóis de água subterrânea, de rios ou de degelo. Tais áreas possuem altitude mais baixa que as áreas vizinhas.

Podem ser constituídos tanto de água doce quanto salgada. A água salgada ocorre em lagos mais antigos, onde a evaporação foi muito grande e a quantidade de sódio acumulado é bastante elevada.

Os lagos salgados diferem dos mares fechados principalmente devido à dimensão, pois os lagos são menores.

Mesmo os lagos mais antigos possuem apenas 25 milhões de anos, ou seja, formaram-se recentemente se levarmos em conta o tempo geológico da Terra, em que há rochas com mais de 3 bilhões de anos.

Eles podem ser também artificiais, quando são construídas barragens para a geração de energia ou para a captação de água para o consumo nas grandes cidades.

AS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS

QUAL A ORIGEM DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS?

É a força da gravidade que atrai a água do alto das montanhas para os oceanos e mares sempre à procura do lugar mais baixo do relevo para se depositar.

COMO SÃO  AS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS? LENÇOL FREÁTICO E LENÇOL ARTESIANOS

A crosta terrestre apresenta diferentes camadas com distintos níveis de porosidade, assim a água tende a penetrar por essas porosidades atraída pela gravidade, formando, em alguns lugares, reservatórios subterrâneos ou lençóis de água.

COMO SÃO ABASTECIDAS AS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS?

Eles são abastecidos pelas águas das chuvas, e a quantidade de água que armazenam varia conforme o regime de chuvas dos locais em que se situam.

LENÇOL FREÁTICO

No lençol freáticol a água se infiltra nas primeiras camadas do solo até encontrar a rocha matriz, que é impermeável, formando uma zona com grande concentração de água, a qual, mesmo subterrânea, flui para o ponto mais baixo do relevo.

Rocha matriz é a rocha não desgastada pelo intemperismo próximo a superficie do solo, ela é impermeavel.

A água do lençol freático é responsável pela formação dos rios e pelo abastecimento de água, por meio do contato do leito do rio com o lençol freático.

No passado, era comum o uso da água dos lençóis freáticos para diversas funções, por meio da perfuração manual de poços, porém, devido ao fato de o lençol freático estar muito próximo à superfície, sua contaminação é facilitada.

Grande parte dos lençóis freáticos está contaminada, principalmente nas zonas urbanizadas, mas também na zona rural em razão do uso de pesticidas e outros insumos usados na produção agrícola.



PROFUNDIDADE E COMO É USADO.

LENÇOL ARTESIANOS:

O qual está localizado em zonas muito mais profundas que os lençóis freáticos, em fraturas existentes na rocha matriz.

A rocha matriz pode apresentar grandes fraturas nas quais a água se infiltra, formando os aquíferos, que contam com uma zona de recarga por onde a água das chuvas penetra para abastecê-los.

A profundidade dos lençóis artesianos pode chegar a mais de 3 000 metros e as suas águas são utilizadas para diversos fins, como irrigação e abastecimento de grandes centros urbanos.

A água do lençol artesiano apresenta grande pressão, por causa do peso das camadas da crosta próximas a ele. Muitas vezes, nos poços perfurados, ela pode jorrar com grande força, formando uma coluna d’água.

Contaminação

Estão sendo contaminados:
Pelos agrotóxicos utilizados na agricultura;
Por substâncias que se originam em áreas de acúmulo de dejetos, como os lixões a céu aberto, quando estes estão localizados próximos à área de recarga dos aquíferos.

O CICLO HIDROLÓGICO

As águas sempre correm das porções mais elevadas do relevo para as mais baixas devido à ação da atração gravitacional da Terra e que, nesse trajeto, ela é usada como meio de geração de energia e de transporte, entre outras funções.

O sol ou energia térmica, é a  energia fundamental no ciclo da água, pois é ele que promove o transporte da água das porções mais baixas do relevo, dos mares e oceanos, até as porções mais elevadas da atmosfera.

O calor do sol provoca a evaporação das águas dos mares e oceanos, rio e lagos a qual  formam as massas de ar e as nuvens. 

As correntes de ventos empurram boa parte das massas de ar úmido para as regiões continentais, onde ocorre a precipitação, alimentando os lençóis que são responsáveis por suprir os rios que drenam a água para o mar.

O CICLO DA ÁGUA

 É o movimento contínuo das águas nos diversos estados (sólido, líquido e gasoso), das porções mais altas para as mais baixas e, depois, das mais baixas para as mais altas pela ação da energia solar.

Em seu ciclo, a água passa por vários processos de purificação.

Um deles ocorre durante a evaporação, quando a água evaporada sofre o processo de destilação, no qual as impurezas sólidas são eliminadas.

Quando as águas se infiltram nas camadas de solo para abastecer as águas subterrâneas, elas também passam por um processo de filtragem, pois as sucessivas camadas de solo atuam retendo as impurezas, purificando-as.

O ciclo da água é um exemplo da grande dinâmica natural existente em nosso planeta.

O constante movimento de massas de água possibilita o desenvolvimento da vida sobre os continentes e, nas regiões que combinam abundância desse recurso com forte incidência dos raios solares, estão localizadas as florestas mais ricas em diversidade de todo o planeta.




Nenhum comentário:

Postar um comentário

9º ANO CAPITULO 11